segunda-feira, 11 de julho de 2011

EXPECTATIVAS...

Você já deve ter ouvido em algum momento da sua vida a seguinte frase:
"quando você menos esperar o amor acontece".

Pode trocar a palavra AMOR por qualquer outra coisa (amor, emprego, dinheiro) que justamente é aquilo que você mais vai estar esperando que aconteça.

Essa sempre foi minha grande dificuldade, como deixar de esperar aquilo que mais se espera ??

Claro que existem coisas que podem te ajudar a desviar a atenção do "objeto do desejo", como preencher seu tempo com outras atividades ou algum hobbie, e se você tiver uma mente muito bem treinada, as chances de você pensar menos naquilo que você mais espera que aconteça e não acontece, são grandes.

Eu tenho uma gigantesca dificuldade em trabalhar as minhas expectativas na minha vida pessoal principalmente, mas uma tremenda dificuldade mesmo. 

Principalmente no que diz respeito às coisas do coração, acho que eu e a metade da torcida do Flamengo sofremos do mesmo mal.

Melhorei um pouco com o tempo, com as experiências, a terapia que fiz, as cabeçadas que dei, enfim, a gente aprende é na dor.

Há alguns meses atrás pensei que estava vacinada com relação às expectativas no campo dos relacionamentos, tava me achando "pé no chão", "super" madura, iniciando pela primeira vez, depois de muito tempo, um relacionamento adulto.


Estava eu lá toda feliz por ter conhecido alguém bacana, com os mesmos objetivos que eu, morando na mesma cidade que a minha, com horários compatíveis com os meus (aleluia !), com idéias compatíveis com as minhas (foi o que eu pensei), e passei a viver momentos intensos e muito bonitos com essa pessoa e que julguei ser um cara especial, e talvez ser "o cara".


(Bom, você pode me falar que não o conhecia bem, que não poderia fazer tal julgamento. Ok, você estará certo em dizê-lo.)

Eu me obriguei a fincar os pés no chão, a não "viajar na maionese", tentando viver cada segundo que estávamos juntos sem pensar muito em futuros distantes, lidando apenas com o que eu oferecia à ele e ele à mim.

Mulheres em geral tem mania de ver coisas que não existem, sonham demais, divagam demais, devaneiam demais, e como já tinha feito isso muitas e muitas vezes e quebrado a cara todas as vezes, resolvi que tinha que mudar meu "modus operandi" no quesito relacionamento.

Não, dessa vez não, não ia errar com algo tão especial que estava me acontecendo.

Não sonhei alto demais, sonhei só com o que me era dado de concreto, não estava pisando em terreno instável (pensava eu), só acreditava naquilo que eu via e vivia.

Tentei, dentro das minhas possibilidades, não criar EXPECTATIVAS irreais em relação aquilo que estava acontecendo, só criava EXPECTATIVAS quando isso era "permitido"  e porque não dizer, até estimulado.

There was my big mistake !!! BIG MISTAKE !!!!

Quando lidamos com EXPECTATIVAS sejam as nossas, sejam de outros, devemos tomar o maior cuidado !

E como eu já expliquei lá em cima, no comecinho do texto, eu tenho uma tremenda dificuldade em lidar com EXPECTATIVAS, e uma vez elas criadas em mim (repito que tive motivos para isso), o estrago está feito, não ?!

Bom, mais uma vez aquele velho ditado "Quem planta expectativas colhe decepções", veio certeiro na minha vida, embrulhado num belo pacote com laço de fita e tudo, no meu presente de aniversário (hoje já dá pra dar um sorriso amarelo, com essa piadinha).

É claro que naquele momento vendo tudo isso acabar, bateu o desespero e a única coisa que eu queria/precisava/desejava saber era: 

O QUE ACONTECEU ?? 

O que aconteceu, de verdade, acho que nunca vou saber, esse direito não me foi dado.
ONDE FOI QUE EU ERREI ??

E por que cargas d'água, eu achei que tinha errado em alguma coisa ???

De novo, as mulheres tendem a se culpar por relacionamentos que não dão certo, principalmente terminando nessas circunstâncias.

Mas com o tempo, analisando tudo mais friamente, consegui detectar alguns erros meus nesta história, erros que achei que não cometeria, erros bobos, erros pífios, mas errei, mas não errei propositalmente claro, errei por desejar demais acertar.

Mas já me perdoei por isso.
A gente precisa na verdade, SE PERDOAR !!!!


O único problema é que essa história insiste em latejar na minha cabeça, e preciso usar isso a meu favor (ai meu complexo de Pollyana !!)


Na verdade comecei este texto pra falar sobre expectativas, desejos, decepções.

Qual a fórmula para não criar expectativas e assim por consequência, não sentir aquela horrível sensação de sentir o chão sumir debaixo dos seus pés quando o que você tanto esperou, tanto desejou não aconteceu da maneira como queria ??

A resposta à essa minha pergunta eu talvez tenha encontrado hoje, lendo o livro COMPROMETIDA, de Elizabeth Gilbert (a mesma autora de COMER, REZAR, AMAR) neste trecho:

"Tive uma amiga da faculdade que estreitou de propósito as opções da vida, como se quisesse se vacinar contra expectativas demasiado ambiciosas. Descartou a carreira e ignorou a sedução das viagens; voltou para a cidade natal e se casou com o namorado do curso secundário. Com confiança inabalável, anunciou que se tornaria "apenas" esposa e mãe. A simplicidade desse arranjo lhe pareceu totalmente segura: a certeza comparada às convulsões de indecisão de que tantas colegas ambiciosas (eu, inclusive) sofríamos. Mas, doze anos depois, quando o marido a trocou por uma mulher mais jovem, a raiva da minha amiga e a sensação de ter sido traída foram as mais ferozes que já vi. Ela praticamente implodiu de ressentimentos; não tanto contra o marido, mas contra o universo, que na opinião dela quebrara um trato sagrado feito com ela. "Eu pedi tão pouco !", não parava de dizer, como se bastassem as exigências diminutas para protegê-la de decepções. Mas acho que ela se enganava; na verdade, pediu muito. Ousara pedir felicidade e ousara esperar que a felicidade viesse do casamento. Isso é tanto que é impossível pedir demais."


Então, o que eu entendo é que por mais simples que sejam os nossos desejos, as expectativas geradas deles sempre serão gigantes.

Se a possibilidade de suas EXPECTATIVAS, por menores que sejam, são de 50% de darem certo e 50% de não darem certo, como lidar com isso sem que eu me arrisque demais ou de menos ??

Acredito que dificilmente eu terei essa resposta, mas acho que o que posso tirar disso é tudo que posso criar as minhas EXPECTATIVAS sim, tomando o cuidado de baseá-las em fatos verdadeiros e não em ilusões, em sentimentos verdadeiros, em pessoas confiáveis, mas mesmo assim, tenho que ter consciência de que essas EXPECTATIVAS correm o risco de não se tornarem realizações.



Acredito que posso chamar isso de AMADURECIMENTO.
M.J.C.

Aqui um vídeo que todo mundo deve conhecer, mas que adoro pela simplicidade e pela mensagem.

3 comentários:

Michele P. disse...

Marcia

O problema da vida é que nós esperamos de mais e vivemos de menos!

Adorei o texto!

Um abraço

Marcia Cardoso disse...

Oi Michele !!
Sem dúvida, esperamos e pensamos demais....mas a gente vai aprendendo com o tempo.
Obrigada querida !!
Beijos

Daniel Rogero disse...

Olá, querida. Em primeiro lugar, é excelente seu texto. E sobre relacionamentos e expectativas, penso que os românticos tendem a possuir esse desejo incontrolável de um amor que abale estruturas. Nessa "cobrança de pênalti do amor" nem sempre se faz gol. Acredito também que essas dores ocasionadas pelas decepções das expectativas não concretizadas não devam ser encaradas como um corretivo às expectativas, pois muitas vezes só medimos o tamanho de um amor pelo tanto de dor que ele causa ao acabar. Falo por mim, que prefiro a dor imensa de um amor em que não me poupei do que um amor que me teve em um modo light. Mas essa é só a minha opinião. Parabéns pelo lindo Blog.